16 de julho de 2018

Lambrusco de Modena

A cidade italiana de Modena é mundialmente conhecida por várias coisas: enogastronomia, carros velozes (e caros) e Luciano Pavarotti. Um prato cheio para os amantes da boa vida brindarem com um copo de Lambrusco.


O vinho Lambrusco é mundialmente conhecido ainda que não seja pelos melhores motivos. Existem vinhos italianos igualmente famosos mas que estão associados a uma imagem de qualidade. Por cá, o Lambrusco é um vinho frisante que se vende em qualquer supermercado a preços baixos, o que não ajuda na sua imagem. Em Modena existem várias adegas que abrem as suas portas para mostrar o que de melhor sabem fazer.
4 de julho de 2018

Queijo Parmigiano Reggiano

Não sou grande consumidora de queijos mas aprecio alguns. Em Portugal, o Queijo Amarelo da Beira Baixa é sem dúvida o meu favorito; em Espanha gosto do Manchego; em França o brie é duma simplicidade desarmante e o sabor do Gouda conquistou-me durante a minha viagem à Holanda. Em Itália também há bons queijos e cá em casa nunca falta um Parmigiano Reggiano para um risotto. Quando passei por Modena não pude deixar de visitar uma queijaria e conhecer todo o seu processo de produção.


É bem cedo que começam as visitas, já que é a mãe natureza que manda. Quem tem este tipo de negócio sabe que não há fins de semana nem feriados, uma vez que os animais têm de ser ordenhados duas vezes por dia. E estamos a falar de um universo de 2000 vacas que diariamente produzem mais de 6000 litros de leite.
27 de junho de 2018

Quinta do Vallado

Este ano o mês de Junho foi ainda mais especial. Além dos santos populares e do verão, é também o mês em que celebro uma data muito importante. Passei o dia com quem está sempre presente na minha vida e no coração. O Douro foi o destino escolhido para passar o dia em família.

Quinta do Vallado, quintas Douro, vinhos Quinta do Vallado, vinhos Douro, quintas vinho do Porto, enoturismo Douro

Não houve rezas nem pedidos especiais, mas S. Pedro finalmente desligou a torneira e a meados de Junho pareceu que finalmente o verão vinha para ficar. O plano era simples: passar o dia juntos. Como a minha mãe me tinha falado que gostava de voltar a andar de comboio, comprei os bilhetes previamente e levei-os até à estação da Régua. À hora marcada, lá estava ele. O meu filho nunca tinha andado de comboio e foi uma enorme felicidade ver o seu ar de espanto perante a máquina. Durante 30 minutos, nós, que fazíamos aquele percurso pela primeira vez, ficámos rendidos à beleza do Douro.
21 de junho de 2018

Nova Iorque desmistificada

O grande motivo que originou uma espera de 10 anos para conhecer Nova Iorque é simples: o Luis, que já lá tinha estado, não tinha gostado da experiência. Sempre que pensávamos num novo destino para conhecer (e eu falava de Nova Iorque), ele enumerava as razões porque discordava. Tantas vezes as ouvi que quando finalmente marquei a viagem, esta narrativa oral apoderou-se do meu pensamento e comecei a duvidar das minhas certezas. Hoje desmistifico as verdades e mentiras de acordo com a minha experiência.


Os nova iorquinos são antipáticos



A minha chegada não começou bem. Não tive a mala revistada mas fui uma das contempladas com uma ida até à salinha dos fundos para umas perguntas adicionais. Ainda no aeroporto, quando perguntei onde ficava a paragem do meu transporte, responderam-me sem qualquer simpatia e naquele tom nasalado, o que me fez ter de perguntar novamente. No entanto, eu prefiro recordar as vezes que se dirigiram a mim na rua quando não sabia que direção tomar, quando se ofereceram para me acompanhar a um lugar que não conseguia encontrar ou quando me deram o lugar no metro.
14 de junho de 2018

Siena, a magnífica

Da Piazza S. Domenico, Siena parece uma imagem editada. Contornos definidos, cores vibrantes, luz perfeita. Mas é apenas Siena ao natural, sedutoramente irresistível.


Sempre achei os italianos um povo ímpar. Não conheço outro que esteja mais familiarizado com a cultura, a harmonia, o luxo e a excentricidade. Basta saírem à rua para estarem perante o belo, seja na arquitetura, nas obras de arte, nos automóveis, na moda. Foi nisto que pensei quando vi pela primeira vez, ao longe, o casario de Siena com a Torre del Mangia a evidenciar-se. Senti um certo cosmopolitismo mas sem nunca esquecer que estou em Itália.