Hotel des Trois Couronnes

No coração da Riviera Francesa e debruçado sobre o lago Genebra, o Hotel des Trois Couronnes conta já com 180 anos de existência. Por aqui têm passado músicos, escritores, estrelas de cinema e membros da realeza.


Todos nós temos um familiar, um amigo ou conhecido que em dada altura da vida imigrou para a Suíça e todos nós já ouvimos elogiar a sua beleza natural. A pandemia condicionou as minhas viagens nos últimos dois anos, por isso queria muito que, quando voltasse a viajar, fosse para um lugar arrebatador. Estava decidido o destino: 2022 seria o ano de uma roadtrip em família pela Suíça.
Depois dos lagos maravilhosos que tinha visto na Áustria, a expectativa era enorme, principalmente mostrar ao meu filho que lugares com aquela beleza existem de facto. E a nossa primeira paragem seria num lugar especial: Vevey. A Riviera Francesa, de inegável beleza natural, atraiu desde sempre artistas que aqui buscaram inspiração e ainda hoje mantém essa forte ligação às artes e à cultura, com variados festivais de música.Foi o caso de Henry Miller, Camille Saint-Saëns ou Tchaikovski. Hoje, a região é conhecida pelos vários festivais, como o Montreux Jazz Festival.


O Hotel des Trois Couronnes, já conta com 180 anos de história foi a escolha perfeita para esses dias. Cheguei ao início da tarde, num dia de calor atípico, com mais de 30ºC. O serviço de valet parking trata do carro e das malas e na receção fala-se um pouco de tudo, incluindo português, para que todos os hóspedes se sintam o mais confortável possível. Subimos no elevador que ainda conserva a traça de outros tempos mas que em nada compromete a sua função. Foi a única vez que o usei, já que as escadas são muito suaves, iluminadas por bonitos vitrais.



A minha suite é simplesmente maravilhosa, mesmo no centro da fachada e com vista soberba para o lago Genebra. O quarto é bastante espaçoso e e cheio de luz e inclui uma lareira. Na casa de banho existem todo o tipo de amenidades possíveis e no minibar estão à disposição um conjunto de bebidas nacionais. Abro as portadas em madeira. Daqui tenho uma vista soberba para o lago Genebra e para os Alpes.


Mas na própria cidade de Vevey, o hotel tem uma localização privilegiada, na marginal junto ao lago, onde existem esplanadas, geladarias e restaurantes. Durante a minha estada, a água estava a 22ºC e todos aproveitamos para ir a banhos. 


De tempos a tempos, avistam-se os barcos Belle Époque do início dos século XX que percorrem o lago de Lausanne-Ouchy a Montreux.


Ao longo da margem existem muitas outras opções para fazer em família, desde os parques infantis, às estátuas na água e em terra ou apanhar banhos de sol na praia de areia improvisada.

Os finais de tarde foram passados nas espreguiçadeiras do spa, alternando entre banhos da piscina interior de 24 metros. Nas paredes ainda restam vestígios do que aqui foi um antigo palácio renascentista.


Infelizmente, choveu todas as noites e por isso os jantares tiveram de ser na bonita sala de refeições com frescos nas paredes.


Já as manhãs eram soalheiras e radiosas e por isso pude disfrutar dos pequenos almoços no terraço onde Camille Saint-Saëns e Ignacy Paderewski tocaram a polonesa a duas mãos.


No final da noite, após deitar o meu filho, encostava as portadas de madeira e sentava-me na varanda do quarto,  a ver os relâmpagos caírem sobre as montanhas e as águas lago ficarem irrequietas. No rés do chão, a fonte continuava calmamente a jorrar água e um ou outro passarito ainda aparecia à procura de uma migalha. Havia sempre uma música de fundo, jazz, normalmente. São sobretudo estas memórias que irei guardar.

Vevey é sem dúvida um lugar muito especial e um ponto de partida para conhecer tantos outros. Os dias foram muito cheios, sempre com novas coisas para conhecer. Ficam as minhas sugestões do que visitar a partir de Vevey

Alimentarium 



Quando em 1867 o farmacêutico Henri Nestlé desenvolveu uma farinha láctea estava longe de imaginar o impacto que iria ter. Esta descoberta revolucionou a alimentação dos bebés que não podiam ser amamentados, combatendo fortemente a mortalidade infantil. Associou-se a outros "visionários" contribuindo fortemente para a transformação da alimentação mundial. Uma visita imperdível.

Vinhedos de Lavaux



A uma curta distância de carro é possível conhecer e percorrer os vinhedos de Lavaux, Património Mundial da Unesco. As vinhas estão plantavas em socalcos, semelhante ao Douro, alguns deles bastantes íngremes. É também possível fazer o passeio num pequeno comboio que percorre os vinhedos.

Château de Chillon



Na margem do Lago Genebra, o Château de Chillon é o momumento mais visitado na Suiça.

Montreaux



À beira do lago Genebra, Montreaux é um local muito agradável, com bonitas casas e lojas muito apetecíveis. Junto ao lago encontra-se a estátua de Freddy Mercury, já que o cantor passou os últimos anos da sua vida aqui. Dentro do casino é também possível visitar os Mountain Studios onde foi gravado o Made in Heaven, dos Queen.

Gruyère



Um pouco mais longe mas cuja visita vale muito a pena é a fábrica de queijo em Gruyère. A melhor hora é logo pela manhã, quando o leite está a ser colocado nas grandes panelas para se dar início à produção de queijo. A visita é autónoma, com audioguia (pt) e percorre todas as etapas do queijo. Aconselho prosseguir para aldeia de Gruyères, que embora seja pequena, está muito bem cuidada. A visita ao château vale bem a pena.
 

Fábrica de chocolate Cailler



At last but not at least, a fábrica de chocolate Cailler. É a marca de chocolate registada mais antiga do mundo e a visita é qualquer coisa de extraordinário (melhor do que a Lindt, na minha opinião). No final pode-se provar uma enorme variedade de chocolates. Melhor hora para a visita? Após o almoço.

Hotel des Trois Couronnes
Rue d'Italie 49, 1800 Vevey, Suíça
www.hoteltroiscouronnes.ch

0 comentários:

Enviar um comentário