Onde comer em Nova Iorque

Comer em Nova Iorque pode ser uma verdadeira dor de cabeça. A oferta, diversidade e procura são gigantescas por isso o melhor é planear com a maior antecedência possível. A reserva prévia é quase sempre obrigatória e alguns restaurantes chegam a ter semanas (e meses) de espera. Estas foram as minhas experiências.


Aldea 
No Aldea, o estrelado restaurante do luso-americano chef George Mendes, serve-se comida de inspiração portuguesa. Bacalhau à brás, arroz de pato, pastéis de nata ou sonhos são algumas das sugestões para quem quer sentir Portugal do outro lado do Atlântico. Os vinhos também não foram esquecidos e na carta encontrei referências do Alentejo, Dão e Douro.

Restaurante Aldea Nova Iorque, Aldea restaurant, chef George Mendes, restaurante português Nova Iorque, restaurante Estrela Michelin Nova Iorque, Michelin Star restaurant NYC, fine dining NYC

Asiate at Mandarim Hotel 
Há uma experiência que os nova iorquinos não dispensam ao fim de semana: o brunch. Imbuída do espírito “live like a local”, reservei mesa para um dos lugares favoritos de quem lá mora e de quem está de visita: o Asiate at Mandarim Hotel. Fica no 35º piso com uma vista soberba sobre o Central Park e a Columbus Circle. O restaurante está sempre cheio e as mesas junto da janela são as mais concorridas. Apesar de estarmos rodeados de vidro, o ambiente, além do requinte, é bastante aconchegante, com têxteis em tons rosa, flores em todas as mesas, pequenos nichos laterais e muito bom gosto. A experiência no Asiate foi positiva, especialmente se tivermos em conta o ambiente requintado, a elegância do espaço, a vista soberba e o serviço muito profissional.


Le Coucou 
No Soho, Le Coucou, o premiado restaurante de Stephen Starr liderado pelo chef Daniel Rose, apresenta cozinha francesa num ambiente requintado e elegante. O interior é bastante iluminado, muito devido às grandes janelas, às paredes de tijolo pintadas de branco e aos inúmeros candelabros de vidro. Há vários arranjos florais que combinam com o chão de madeira, o verde azeitona das cadeiras e dos azulejos da cozinha, o laranja dos tachos de cobre, os tampos em mármore e os sofás onde me indicam para sentar. Experimentei o menú de almoço, um pouco mais "ligeiro" do que o de jantar mas igualmente bom. Tem o custo de $54 e é composto por uma entrada e um prato principal. Uma experiência sem dúvida a repetir.


Eataly NYC Flatiron 
O Eatitaly é de paragem obrigatória para todos os que apreciam comida italiana. É uma espécie de megastore, dividida em vários sectores, com várias opções da gastronomia italiana: pizzas, carne, peixe, massas. Dispõe também de um supermercado, livraria, queijaria e zona dedicada aos vinhos. Em geral, o atendimento é simpático mas nas horas mais concorridas poderá haver algum tempo de espera.


Casa Apicii 
Em Greenwich Village não faltam lugares cheios de charme. A imagem cultiva-se logo à entrada, com muitos vasos com flores e aquele toque especial que nos convida a entrar. A escolha recaiu sobre a Casa Apicci, um restaurante italiano a cargo do chef Casey Lane. Fui directamente conduzida à mesa, numa sala quase vazia mas que rapidamente ficou bastante ruidosa. Espaço amplo, cadeiras em veludo e sofás corridos em pele bastante confortáveis, lareira em alabastro e um varandim no piso superior. Apesar da clarabóia, a sala é mal iluminada e olhando com atenção percebe-se que esta bonita casa do século XIX necessita de manutenção. As doses são generosas, os pratos saborosos mas sem serem extraordinários. O serviço foi rápido e com simpatia mas a comida ficou aquém da expectativa.


Chelsea Market 
A antiga fábrica da Nabisco foi transformada num dos principais centros gastronómicos de Nova Iorque: o Chelsea Market. Sem esquecer a comunidade local mas estando aberta para receber o mundo, a sua oferta é diversificada, já que dentro de portas passam mais de seis milhões de pessoas por ano. Aqui encontra comida italiana, japonesa, francesa, mexicana, assim como produtos de outras nacionalidades. O Amy’s Bread, Sarabeth’s ou Davidovich são bons locais para a primeira refeição do dia. O Filaga, com as suas fatias de pizza sicilianas, é mais adequado para um almoço rápido. Já ao jantar, o Green Table, Lobster Place ou Le Song são mais propícios a refeições mais demoradas.


Gansevoort Market 
Ainda no Meatpacking District, com igual bairrismo mas menos sentido de mundo temos o Gansevoort Market, um espaço renovado e sempre muito concorrido. A diferença para o Chelsea Market é a envolvência, a decoração menos bem conseguida, a limpeza em falta e a diversidade da oferta de comida.


0 comentários:

Publicar um comentário