20 de março de 2018

Casa da Ínsua

Na Beira Alta, em Penalva do Castelo, a Casa da Ínsua é muito mais do que um hotel de charme de 5 estrelas. Contempla um espaço museológico e mantém a produção de queijo Serra da Estrela, vinho, produtos à base da maçã Bravo de Esmolfe e azeite.

Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Conheci a Casa da Ínsua durante a Semana de Enoturismo que precedeu as últimas Jornadas dedicadas ao tema. O acolhimento foi no pátio exterior, sob os frondosos plátanos, que me recordou a Fábrica de Porcelana da Vista Alegre, hoje também na posse do Grupo Visabeira. Além de hotel de charme de 5 estrelas, pertence desde Outubro de 2015 à rede de Paradores, um projeto pioneiro que trouxe um novo público à região.
A antiga sala de receção da família é hoje a receção do hotel e aqui são dadas as primeiras contextualizações históricas. Luís de Albuquerque de Mello Pereira e Cáceres foi para o Brasil definir as fronteiras do território português com o de Espanha e graças a isso enriqueceu. Foi com essa fortuna que mandou construir este solar do século XVIII em estilo barroco na sua terra natal. A família importou o que de melhor se fazia noutros países, como é o caso da decoração desta sala, com papéis de parede da Casa Zuber, considerados Património Nacional em França.  A autoria é atribuída a Julien-Michel Gué que se terá inspirado n’A Dama do Lago de Sir Walter Scott.

Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
A sala dos retratos é dos pontos altos da Casa da Ínsua. Esta família, à semelhança de outras, é de origem bastarda. O tetra avô de Luís era filho bastardo do rei D. Dinis. Luís de Albuquerque era apaixonado por esta terra mas foi obrigado pelo pai a aceitar o convite do Marquês de Pombal e ir para o Brasil. Esta sala foi oferecida pelo Marquês em sinal de agradecimento. Como nunca casou nem deixou descendentes, após a sua morte, todo o património passou para o seu irmão mais velho que, através do regime de morgadio, ficou impedido de casar e ter filhos e o obrigou a adicionar património ao já existente. Nas paredes estão expostos os retratos dos homens da família e há também uma inovação: a salamandra elétrica, já que a Casa da Ínsua foi das primeiras casas em Portugal a ter eletricidade própria.

Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Numa casa como esta não podia faltar um espaço dedicado à música, também ele inovador. O cravo tem pés de cristal para que o som fluísse melhor. O teto, além de acústico, é muito bonito, com representações das três estações do ano (exceto o inverno), os doze meses e os signos do zodíaco do século XIX. O chão é embutido e tem catorze tipos de madeira e uma enorme flor de liz desenhada. Imaginem dançar num cenário destes.

Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Menos exuberante é o teto da sala de jantar: a sala das camélias. As senhoras da família, desagradas com as figuras femininas exóticas mandadas pintar por Manuel, taparam-no com madeira.
Quantos mais espaços percorria, mais achava curioso este sentido de modernidade que o dinheiro permitia. E são vários os exemplos: um rechaud a meio caminho entre a cozinha e a sala de jantar, de modo a manter a comida quente; um afiador e polidor de talher; um moinho de café e um saca rolhas industrial. Em alguns momentos lembrei-me da série Downton Abbey, mas à portuguesa.
A cozinha unicamente destinada à família, toda branca, é qualquer coisa de único. Era uma forma de, com um simples olhar, detetar algum déficit de higiene. Em exposição encontram-se objetos da época, como um fogão a lenha, utensílios em cobre ou ferros de engomar a brasas.
Para os funcionários, que chegaram a ser 320, havia uma cozinha própria, equipada com outro tipo de estruturas, como um guindaste para ajudar a puxar os grandes tachos e panelas.
Numa casa como esta não podia faltar uma capela. A simbologia maçónica presente mostra a ligação já antiga a esta organização, o que levou a que não sejam reconhecidos pela Igreja casamentos aqui celebrados. Os painéis de azulejos são da autoria de Leopoldo Luigi Batistini.

Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Regresso ao terraço junto à sala de jantar para um aperitivo, numa manhã soalheira de verão de S. Martinho, que mais não faz do que enaltecer a beleza dos incríveis jardins de inspiração francesa, à Le Nôtre. Onde outrora se banhou Ingrid, a professora austríaca de ar exótico, nadam agora cisnes que sem receios se aproximam. Percorro os caminhos de terra entre parterres de buxo, camélias e roseiras, observando a conhecida torre com as ameias a recordar outros tempos.

Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Numa quinta desta dimensão, com tantos empregados e tantas inovações à época, tinha de ter serviços in loco que pudessem assegurar as diversas atividades. O Núcleo Museológico da Casa da Ínsua recuperou, requalificou e disponibilizou ao público um vasto património que vai desde espaços (antiga serralharia, lagar de azeite, mós) até ao conjunto de objectos relativos ao trabalho desenvolvido por Luís Albuquerque durante a sua estada no Brasil. É absolutamente incrível o detalhe dos trabalhos ilustrados das várias espécies de fauna e flora.
Apesar de na Casa da Ínsua também se produzir Queijo e Requeijão Serra da Estrela DOP, compotas e vinho, não nos foi possível visitar a queijaria, doçaria nem adega. No entanto, todos estes produtos estão em venda na loja da quinta.

Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Seguiu-se o almoço no Restaurante Casa da Ínsua com uma cozinha de inspiração regional mas com um toque de sofisticação. Iniciei com um carpaccio de novilho com queijo velho e canónigos. Seguiu-se um bacalhau com puré de azeitona, pimento e cebolada. O cabrito em tornedó com esmagada de batata estava exceptional e fechou com chave de ouro com um bolo do cardo com gelado de baunilha e macadâmias e molho de frutos vermelhos. Muito apelativo visualmente, primeiro estranha-se e depois entranha-se. Depois de no dia anterior ter experimentado a margaça, achei que usarem plantas que associamos a tudo menos a deliciosas sobremesas tinha sido uma ideia excelente. Todos os pratos foram harmonizados com vinhos Casa da Ínsua.

Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Casa da Ínsua, Parador Casa da Ínsua, restaurante Casa da Ínsua, solar Penalva do Castelo, onde dormir em Penalva do Castelo
Parador Casa da Ínsua
3550-126 Penalva do Castelo

0 comentários:

Enviar um comentário