28 de fevereiro de 2017

Restaurante Herdade das Servas

Ela cozinha, ele assegura o serviço de sala. À frente do restaurante Herdade das Servas estão os irmão Paulo Baía e Maria da Fé e propõem uma das melhores experiências gastronómicas de Estremoz.

Restaurante Herdade das Servas, restaurantes Estremoz, onde comer em Estremoz
O Feitiço da Lua é um dos filmes da minha vida. Um dos episódios mais deliciosos é no restaurante Grand Ticino, quando Bobo, o empregado de mesa, serve o ministrone à signora Castorini como se se tratasse de um familiar muito querido. Foi esse tipo de atenção que senti no restaurante Herdade das Servas.
O parque de estacionamento bem composto deixa antever que o restaurante estará cheio, e está, de facto. A reserva é realmente aconselhada. É Paulo Baía quem me recebe e me conduz à mesa, junto à janela, onde posso disfrutar da paisagem. A sala não é grande mas noutro local ter-se-ia caído na tentação de colocar mais mesas e comprometer a privacidade. Felizmente, aqui não. Há também uma grande lareira bem típica do Alentejo que imagino acesa nos dias mais frios, o que tornará este espaço ainda mais acolhedor.

Restaurante Herdade das Servas, restaurantes Estremoz, onde comer em Estremoz
Com a carta vêm também as sugestões do dia e a indecisão do que escolher. Chegam também à mesa um queijinho alentejano meticulosamente cortado, de uma perfeição exemplar, cabeça de xara e papa ratos, feito a partir das sobras das farinheiras quando estão a ser confecionadas. Peixe ou carne, carne ou peixe… Decido partilhar um bacalhau à lagareiro seguido de umas bochechas de vitela estufadas em vinho tinto.
E entre um pão alentejano e uma cabeça de xara vou observando o serviço que é de uma enorme eficiência, discrição e profissionalismo, não se ficando em nada atrás de qualquer restaurante de topo.
Primeiro é servido o bacalhau, um lombo a lascar como se quer, batata e couves de bruxelas. Seguiram-se as bochechas de vitela, uma carne tão macia que se desfazia sem necessidade de faca. Acompanhou com um puré de batata, com um ligeiro toque de pimenta e cebolinhas. Ambos os pratos foram harmonizados com Herdade das Servas Colheita Selecionada.

Restaurante Herdade das Servas, restaurantes Estremoz, onde comer em Estremoz
Restaurante Herdade das Servas, restaurantes Estremoz, onde comer em Estremoz
Restaurante Herdade das Servas, restaurantes Estremoz, onde comer em Estremoz
– E para sobremesa, o que vai desejar? – pergunta-me Paulo Baía com um sorriso.
– Sobremesa? Mas estou tão cheia…
Já se sabe que do Alentejo ninguém abala com fome e como os olhos também comem, não há como ver para escolher. Junto do balcão das sobremesas, explica-me o modo de preparação e opto pelas mais tradicionais: o pudim das servas e a sopa dourada. E lá chegaram à mesa, em dose xxl. Começo pela primeira, cuja receita base é do pudim de água de Estremoz mas que aqui se optou por introduzir cocô, ficando semelhante a um quindim. Eu gosto muito de quindins (e até comi recentemente) e posso garantir que este pudim é muito melhor. Há anos que resisto à tentação de provar a sopa dourada porque sempre considerei que fosse enjoativa. Mas à primeira colherada, os cubos de pão fritos, os pedaços de amêndoa e a canela remeteram-me para o Natal com a família à mesa. Para terminar, um pequeno brigadeiro acompanha o café.

Restaurante Herdade das Servas, restaurantes Estremoz, onde comer em Estremoz
Após o repasto, era imperativo felicitar a chef.
– Venha à cozinha. Agora já está mais calmo. – convida-me Paulo Baía.
A chef Maria da Fé continua ao fogão, sozinha e tranquila, de volta das iguarias que tão bem sabe apurar de sabor. São quase 15 horas e o restaurante ainda está praticamente cheio. Não há tempo para grandes conversas.
O restaurante Herdade das Servas não apresenta pratos visualmente impactantes nem técnicas de alta cozinha. Aqui servem-se pratos alentejanos muito bem confecionados, num ambiente elegante e com um serviço exemplar. É sem dúvida uma referência em Estremoz e no Alentejo.
 
Restaurante da Herdade das Servas
EN 4 - Km 136,4
Estremoz

0 comentários:

Enviar um comentário