14 de julho de 2016

Saint-Émilion

Classificada como Património Mundial da Humanidade pela UNESCO, a vila medieval de Saint-Émilion conjuga história, património arquitetónico, gastronomia e vinhos de elevada qualidade.

Saint-Émilion, roteiro Saint-Émilion
Saint-Émilion é dos meus lugares favoritos em França. Dois dias bastam para conhecer a sua história mas são insuficientes para sentir o charme que aquelas pedras respiram. Percorro várias vezes as mesmas ruas, observo as mesmas casas, sinto a intensidade do sol em vários momentos do dia mas nunca me canso. Sempre a pé, com calçado confortável, porque além de muito acidentadas, as ruas são empedradas. A mais emblemática é a Tertre de la Tente, extremamente acentuada e difícil tanto a subir como a descer. Os varões ao centro auxiliam a evitar percalços. Aqui existem alguns dos principais restaurantes mas o local de paragem obrigatória é na fábrica de macarons Matthieu Moulièrac. Tento entrar mas a fila é impossível e acabo por desistir. Posso adiantar que nada têm a ver com os tradicionais macarons. São bolos simples, vendidos sobre folhas brancas. A receita remonta a 1620 e deve-se às irmãs Ursulinas quando se estabeleceram num convento local.

Saint-Émilion, roteiro Saint-Émilion
Para os amantes de lugares cheios de história, Saint-Émilion é um prato cheio. Sob o chão que piso existem cerca de 200 quilómetros de galerias subterrâneas de onde se extraiu o calcário usado nas construções locais e de Bordéus. Algumas foram transformadas em adegas, como o caso do Château Villemaurine que tem o privilégio de estar sobre algum deste património.
A igreja monolítica foi escavada diretamente na pedra e hoje é das principais atrações. Percorro-a ao som de música sacra, enquanto observo os vitrais e o púlpito de madeira.
Há algum comércio mas são as lojas de vinho que dominam por completo. A abordagem é bastante semelhante: primeiro deixam as pessoas percorrer a loja, perguntam se necessitam de ajuda e qual a nacionalidade. Depois personalizam o atendimento. Não se restringem aos vinhos de Saint-Émilion. Vendem também Sauterne (que aproveito para fazer prova e adquirir), copos e decantadores e sal de vinho. É um condimento final para pratos de carne, peixe e foie gras que lhe dá um toque extraordinário de sabor.

Saint-Émilion, roteiro Saint-Émilion
Na Maison du Vin também é possível adquirir vinhos mas é um local sobretudo de aprendizagem. Tem uma exposição detalhada sobre as várias fases onde é possível descobrir pormenores surpreendentes que alguns desconhecerão. No entanto, quem  tiver oportunidade deve agendar uma ou várias visitas ao châteaux. Existem centenas mas apenas alguns disponibilizam este serviço. Na mais famosa região de vinhos do mundo, os produtores perceberam que abrir as portas diretamente aos enoturistas lhes poderia trazer vantagens. Excluídos estão os produtores dos “Premier Grand Cru Classé” que apenas recebem profissionais do sector. É o melhor local para conhecer a história de cada vinho e escolher o que mais se adequa ao gosto individual.

Saint-Émilion, roteiro Saint-Émilion
A praça junta à igreja tem gente a toda a hora. De manhã preparam-se as mesas para receber os que procuram uma refeição num local cheio de charme. O espaço está concessionado a vários restaurantes cujos empregados entram e saem repetidamente com pedidos.

Saint-Émilion, roteiro Saint-Émilion
Em todos os locais há aquele que inspira à foto postal. A Rue du Clocher oferece uma vista sobre a vila de Saint-Émilion, a praça, as casas que brilham com a luz do sol e os vinhedos de perder de vista. Para consumir a qualquer hora, sem qualquer moderação.

Leia também:

0 comentários:

Enviar um comentário