18 de novembro de 2014

Na velha Lyon


Classificado Património Mundial pela UNESCO, percorrer o bairro da Vieux-Lyon é descobrir a história do cinema, restaurantes típicos e passagens secretas.


Vieux-Lyon

Atravesso uma das muitas pontes sobre o rio Saône já sob ameaça de chuva. O vento, esse, não dá tréguas mas o frio suporta-se bem. Inicio o meu percurso junto da Igreja dos Protestantes, onde uma senhora alemã me abordou e explicou a história do edifício. No século XVII, era aqui o local onde os comerciantes faziam as suas transações e só em 1803 se converteu em igreja. Como me viu interessada, perguntou-me de onde era e ao saber-me portuguesa, respondeu: “Penso que tenho aqui algo em espanhol”.


Vieux-Lyon

Olhando em redor da praça, todas as ruas parecem iguais: estreitas e empedradas, com casas em tons pastel. A Rua Saint-Jean é a espinha dorsal do bulício turístico. Aqui estão os restaurantes, as tradicionais lojas e o Museu de Miniaturas e do Cinema (os irmãos Lumière nasceram em Lyon). Apenas espreito a montra envidraçada, apinhada de pessoas que fotografam algumas das peças expostas para convidar a entrar.

Apesar do chão estar escorregadio devido à chuva, os ciclistas nada temem e usam as suas bicicletas como meio de transporte ideal. É comum encontrarem-se encostadas a muros, fachadas, candeeiros e pátios.

Vieux-Lyon

Com o estômago a reclamar, coloco-me na fila da Bolangerie du Palais. O cheiro já o sentia à distância mas a fome torna-o mais apetitoso. Pizzas, baquetes ou bolos típicos, tudo pronto a levar para quem não quer optar por um menu leonês num dos muitos restaurantes.

Agora mais reconfortada, parto à descoberta daqueles locais que fazem da Velha Lyon um sítio especial. Avanço pelo túnel no nº 37 até à Maison du Chamarier, com as suas abóbodas, as varandas trabalhadas, as escadas em caracol e as janelas aos quadradinhos.

Vieux-Lyon

Regresso à Rua Saint-Jean onde observo algumas portas. Em madeira de várias cores e tamanhos, com um puxador ao centro e uma abertura no topo para entrar luz e fazer ventilação. Apoio a mão sobre a placa dourada no nº 54 e entro no traboule, passagem que liga vários prédios. Confesso que sinto um ligeiro nervoso. Sigo pelos corredores iluminados que não sei onde irão terminar. Das janelas pendem flores, uma caveira e há uma bicicleta presa ao gradeamento. O silêncio é quebrado por um grupo de turistas que vem em sentido contrário. Volto ao cinzento do céu no nº 27 da Rua du Bœuf, bem mais tranquila.

Vieux-Lyon

A Catedral de St Jean Baptiste é de paragem obrigatória, de fachada limpa e com uma rocácea ao centro. Em frente os riquexós aguardam pelos turistas cansados de percorrerem as ruas estreitas.

Apanho o funicular para o alto da colina de Fourvière. Imagino que seria difícil fazer este trajeto a pé com o vento frio mas vou de tal maneira “enchouriçada” entre as pessoas que agradeço os dois minutos que demora a viagem.

Vieux-Lyon

Ao entrar na Basílica de Notre-Dame de Fourviére, o impacto visual é grande. Eu sei que não é a Capela Sistina mas seguramente será dos lugares religiosos mais bonitos que já visitei. Não há pedaço da parede que não esteja decorado com mosaicos onde predomina o dourado e o azul, ao qual se junta a beleza das estátuas, colunas, candeeiros, vitrais e do chão.

Basílica de Notre-Dame de Fourviére

Apesar do grande número de turistas, importa não esquecer que é um local de culto e por isso deve ser respeitado enquanto tal. Os mais devotos fazem as suas orações nas capelas e há vários pontos onde é possível iluminar a fé.

Basílica de Notre-Dame de Fourviére

Termino a visita na cripta de St. Jean, que impressiona pela dimensão e iluminação pouco comum em espaços que costumam estar na penumbra.

De regresso ao exterior, é possível uma vista panorâmica sobre Lyon a partir do miradouro. Com as nuvens a dar uma trégua, avista-se claramente a Catedral de St Jean Baptiste, o rio Saône, a Praça de Bellecour, o Hôtel de Ville e todo o casario em tons pastel.

Vista panorâmica sobre Lyon

Os vestígios da antiga cidade romana de Lugdunum ficam a poucos metros de distância. O tempo não me permite visitar o Museu Gallo-Romano mas desço um dos anfiteatros e aproveito para descansar um pouco no mais pequeno, com alguns raios de sol a atravessar as nuvens. Ainda resta um pouco da calçada romana.

Cidade romana de Lugdunum

Como a descer todos os santos ajudam, faço o percurso a pé. Não é que seja longe mas a inclinação é acentuada e implica alguma força nas pernas. Regresso à praça da Catedral de St Jean Baptiste e entro numa casa de chá. O chocolate quente reconforta as energias gastas. Junto ao rio Saône continua a soprar um vento frio.

5 comentários:

  1. Excelente artigo. Fiquei com (ainda mais) vontade de visitar Lyon.

    ResponderEliminar
  2. Excelente artigo. Fiquei com (ainda mais vontade) de visitar Lyon.

    ResponderEliminar
  3. Obrigada! Nunca tive oportunidade de visitar Lyon apesar de ter vivido muitos anos em França. Será certamente um dos locais a visitar numa das idas "mata saudades". Merci!!!

    ResponderEliminar
  4. Olá Sofia: nos próximos dias irei colocar mais artigos sobre Lyon. Espero que ajude a planear a sua viagem! :-)

    ResponderEliminar
  5. Olá Christine: Lyon combina na perfeição um lado mais antigo com um mais moderno, sem esquecer a gastronomia e a arquitetura. Estou certa que irá gostar!

    ResponderEliminar