24 de julho de 2014

O que visitar em Penafiel


Localizada entre os rios Sousa e Cavalum, Penafiel é conhecida pelo seu centro histórico, monumentos religiosos, património arqueológico e aldeias preservadas que contam histórias de outros tempos.

Centro histórico de Penafiel

Quando planeei a minha visita a Penafiel coloquei a aldeia de Quintandona no topo da lista. Não sei se foi pela hora matutina ou por ser feriado mas o GPS decidiu não colaborar. Contei com a ajuda de um senhor que encontrei num café onde parei a pedir informações e que prontamente se ofereceu para me indicar o caminho. Lá fui atrás dele, por entre curvas e contra curvas, até avistar a placa. Uma terra de gente boa, como vim a testemunhar tantas outras vezes. Percorri esta aldeia preservada, cuidada e muito dinâmica com a Catarina Mesquita e regressei à noite para (a)provar os rojões da Casa Valxisto e um copo de vinho no Wine Bar – Casa da Viúva.

Aldeia de Quintandona

O Mosteiro do Salvador de Paço de Sousa é dos monumentos incontornáveis da Rota do Românico. Para além da importância do traço arquitectónico, do portal repleto de pormenores e da torre sineira, é no seu interior que se encontra o túmulo de Egas Moniz, aio de D. Afonso Henriques.

Mosteiro do Salvador de Paço de Sousa

Percorrendo um caminho de terra, por entre eucaliptos, pinheiros e construções de outros tempos, cheguei ao Monte Mozinho, um castro que remonta à época romana. Enquanto subia até à acrópole dentro das muralhas, três ciclistas, equipados a rigor, desciam cuidadosamente os degraus de pedra. No regresso, visitei o Centro Interpretativo que fornece alguma informação sobre a história do castro.

Castro de Monte Mozinho

Mas o verdadeiro espólio encontra-se exposto no Museu Municipal de Penafiel, distinguido com o Prémio de Melhor Museu Português em 2010. Objetos da vida quotidiana, estátuas ligados ao culto, a reconstituição de uma sepultura e a famosa estátua do guerreiro galaico que estaria nos torreões da muralha do castro. Para além da contextualização fornecida pelos funcionários do museu, as legendas são bastante completas, sempre acompanhadas de vários painéis explicativos. Percorri lentamente as cinco salas de exposições e fiquei a conhecer muito da histórica local, das suas tradições e ofícios.

Museu Municipal de Penafiel

Numa tarde de Sábado, o centro histórico e comercial estava pouco movimentado, apenas com os cafés a registarem algum corrupio. Por vezes, há um rosto escondido que espreita por detrás da cortina. Os mais corajosos saem à varanda de ferro forjado e acenam com a mão, em jeito de bilhete postal. O misto de cores alegra o tom triste do granito: o vermelho vivo das sardinheiras, o branco das paredes, os azul que cobre a fachada da igreja. No alto do Jardim do Sameiro, o ex-libris de Penafiel: o Santuário de Nossa Senhora da Piedade. A pé ou de carro, é o local perfeito para uma vista sobre a cidade.

Igreja do Sameiro; Santuário de Nossa Senhora da Piedade; Penafiel

At last but not least, visitar os jardins da Quinta da Aveleda é percorrer caminhos entre árvores centenárias, azáleas floridas e uma vegetação densa mas cuidada. A casa do chá com vista para o lago eleva o ambiente bucólico que senti a cada descoberta. Terminei com uma prova de vinhos e queijos da Aveleda na varanda com vista para as vinhas.

Casa de chá na Quinta da Aveleda

0 comentários:

Enviar um comentário