8 de abril de 2014

Toulouse: a cidade rosa com aroma a violeta


Localizada na região dos Médios-Pirenéus, Toulouse é a quarta maior cidade de França. Cativante, combina edifícios históricos, ruas estreitas, esplanadas iluminadas pelo sol e passeios de barco no Canal do Midi ou rio Garona.



A primeira vez que visitei a França foi numa viagem a Paris. A beleza e património da capital francesa é inquestionável mas quando conheci Toulouse percebi que iria querer regressar muitas vezes a este país. Não duvido que outros lugares sejam mais sugestivos, que quis o destino que fosse a capital da Ocitânia a conquistar o meu coração. Toulouse é conhecida como a cidade rosa, devido à cor das suas casas, em especial quando a luz do Sol lhe incide com todo o seu esplendor. Um elemento que amplia os seus muitos encantos.



Das ruas estreitas às praças com esplanadas


Apesar de Toulouse dispor de uma boa rede de metro e autocarros, a melhor maneira de a conhecer é andar a pé. As ruas são estreitas e assinaladas com duas placas, uma em francês e outra em provençal. Recomendo andar nos passeios para não haver nenhum susto com as dezenas de bicicletas que circulam pela cidade.

Ruas de Toulouse

A Praça do Capitólio, espaço lúdico e cultural, é a sala de recepção de Toulouse. Ponto de encontro, local de convívio, onde se praticam atividades circenses e músicos de rua fazem dela o seu palco principal. À volta há hotéis e cafés e sempre gente a circular. O que talvez muitos desconheçam é que o interior do Capitólio é visitável e posso garantir que surpreende.


A Praça do Presidente Thomas Wilson é ocupada pelo Jardim Pierre Goudouli, cujo carrossel e repuxo atrai famílias e crianças nos seus passeios domingueiros ou fins de tarde solarengos.

Mas a minha favorita é a Praça Roger Salengro, com a sua fonte, esplanadas, lojas decoradas com muito bom gosto, música e portadas de madeira entreabertas, numa tentativa de travar a luz do sol. Poucos são os turistas. É nestas esplanadas em estilo parisiense que os locais gostam de estar.


Toulouse religiosa


A Igreja dos Jacobinos é um espaço amplo dividido por várias colunas em centro, algumas com espelhos, criando um curioso jogo. A luz natural entra por um conjunto de vitrais. Não vale a pena pagar para visitar o claustro, onde apenas há o parterre de buxo aparado.


A fachada e interior da Basílica Saint-Sernin de Toulouse estão em excelente estado. A entrada é paga para visitar o ambulatório e a cripta, onde se encontra o túmulo de Saint-Sernin  (São Saturnino), primeiro bispo da cidade.

Nenhuma se aproxima da dimensão, beleza e riqueza patrimonial da Catedral Saint-Étienne. O altar-mor é magnifico, assim como as várias capelas laterais, algumas delas encerradas. O púlpito, os vitrais e alguns quadros podem ser admirados tranquilamente, numa tarde de Domingo, enquanto há concertos de órgão.



Parques e jardins


Os parques e jardins são locais de passagem obrigatória.Toulouse oferece vários espaços verdes, muito bem cuidados e gratuitos. O jardim Japonês é o mais exótico, com o seu pavilhão de chá, plantas orientais e a estátua de um monge a meditar. Mas o meu favorito é Jardim Grand Rond, menos turístico e de visita frequente de quem cá mora.



Lojas de Toulouse


Seguindo por um intricado de ruelas, parto à descobertas das pequenas lojas onde se podem encontrar os chamados “produtos gourmet”.

No Paradis Gourmet aproveitei para adquirir algumas especiarias que em Portugal não são fáceis de encontrar. Quem é apreciador do Tintim não deve perder a sua loja do lado oposto, na Place Puits Clos.


Os mais gulosos vão perder-se nos aromas e sabores bem doces do Paradis Gourmand. Chocolates de vários tamanhos e feitios, chupa-chupas, rebuçados e caramelos: tudo apresentado de uma forma cativante que faz salivar.

A violeta é a flor emblemática de Toulouse. O seu cultivo remonta ao século XIX mas atingiu o auge nos anos 50 do século passado. Tem características particulares, como o número de pétalas, a cor violeta e o odor mais forte. Várias são as lojas onde se podem adquirir produtos feitos a partir desta flor, mas talvez a mais especial seja mesmo a Maison de la Violette. Instalada num barco de 1930, alberga um espaço de exposição, salão de chá e loja.


No entanto, devo confessor que foi na pequena Violette et Pastels, na Rua St Panteléon que degustei os melhores chocolates.

Para os apreciadores de produtos de elevada qualidade gastronómica, a loja Busquets é um templo. Existem duas, uma na Rua de Rémusat  e outra na Praça Victor Hugo. As ofertas vão desde os vinhos, o champanhe e o Armagnac ao cassoulet, prato típico da região, não esquecendo o foie-gras, o caviar e os patés. Produtos que refletem a história gastronómica de um pais.

Quando a fome (ou gula) aperta, existem várias lojas onde é possível comprar biscoitos. Alguns já estão embalados em caixas coloridas mas podem também ser vendidos a peso.


As Galerias Lafayette Maison são incontornáveis para quem gosta de cozinhar. Percorri os três pisos com calma e sempre recebida com um “bonjour” sorridente. Aqui estão presentes as melhores marcas de loiças, tecidos, objetos de decoração e pequenos eletrodomésticos.


Arte e História


Não há cidade sem museus. Em Toulouse apenas visitei dois. A Fundação Bemberg está instalada no Hôtel d'Assézat, um palácio renascentista que alberga a coleção de Argentine Georges Bemberg. Aqui foi mais um dos locais onde encontrei grupos de alunos em visitas de estudo. O conhecimento não está confinado às salas de aula.

No piso térreo do Museu dos Agustinos está exposta a coleção de escultura gótica e romana. Na igreja há algumas pinturas de grandes dimensões da escola francesa. No claustro ainda se cultivam várias ervas guardadas por uma fileira de gárgulas provenientes da Igreja do Convento dos Cordeliers.


No piso superior, fiquei rendida ao impacto da sala vermelha, com pinturas dos séculos XIX e XX, algumas de Delacroix  e Manet.



Em Toulouse encontrei uma outra França sem turismo de massas. Charme e encanto não faltam nas ruas estreitas, nas esplanadas soalheiras, nas águas calmas dos canais e na qualidade da gastronomia.

8 comentários:

  1. Depois das palavras e das imagens, Toulouse apetece...;)

    ResponderEliminar
  2. Depois destas palavras e das imagens Toulouse apetece… ;)
    Sofia

    ResponderEliminar
  3. Olá Sofia: Toulouse apetece sim. Longe do turismo de massas da capital, é uma cidade onde sabe bem andar pelas ruas tranquilas.

    ResponderEliminar
  4. Vale a pena fazer 500km de carro para visitar Toulouse em 2 dias?
    Já me disseram que a cidade não merece a visita, mas pelo post fiquei com a ideia contraria.
    beijinhos
    viagemdoceviagem.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Olá Carina: fazer 500 km’s para visitar apenas Toulouse talvez não seja o mais indicado. Dois ou três dias são suficientes para ver as atrações principais da cidade. Não tem um turismo de massas mas tem muita vida. Gostei em particular do bom gosto francês, que em alguns lugares chega a ser requintado. Aproveitei para visitar Carcassonne, que aconselho vivamente. Outra opção é ir até Albi ou fazer um passeio de barco no Canal do Midi.

    ResponderEliminar
  6. Estive lá tão perto quando viajei por Franças mas não consegui lá ir, agora vejo o que perdi! Bastante colorida a cidade, adorei!

    ResponderEliminar
  7. Obrigada Eva, pela sua pronta resposta e pelas dicas.
    E já agora, parabéns pelo blog! Está fantástico!
    beijinhos,
    viagemdoceviagem.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. Olá Marta: agora já sabe que tem um bom motivo para regressar! :-)

    ResponderEliminar