18 de março de 2013

Semana Santa em Salamanca


A Semana Santa, declarada como Interesse Turístico Internacional,  é festejada um pouco por toda a Espanha. Fomos até à cidade universitária de  Salamanca conhecer como os seus habitantes vivem esta festividade religiosa.

As comemorações da Semana Santa em Espanha serão das que mais se identificam com identidade, a tradição e a cultura do povo espanhol. Desde que as cidades tenham as chamadas confradías (irmandades religiosas), organizam as procissões e desfiles dos passos: passagens bíblicas que retratam a paixão, morte e a ressurreição de  Jesus Cristo. Nas catedrais e nas várias igrejas, enfeitam-se com as melhores flores e os melhores linhos os andores que serão carregados por homens vestindo os trajes da penitência.
A chegada à cidade do conhecimento deve ser o mais cedo possível e deverão procurar um parque de estacionamento para deixar o carro. Nestes dias há muito policiamento nas ruas, por isso se ficar mal estacionado, há sérias probabilidades de ser rebocado.
Apressamo-nos a ir visitar algumas igrejas porque sabemos que dentro de pouco tempo irão encerrar. Começamos por entrar no Convento das Dueñas, outrora um palácio, onde se podem ver três estilos arquitectónicos: mourisco, renascentista e mudéjar. A nossa próxima paragem é na Igreja e Convento de San Esteban, cuja construção foi iniciada no século XVI, pensada por Juan de Alava. Cristóvão Colombo, antes da sua primeira viagem à América, esteve neste convento para os monges e os professores da Universidade de Salamanca intercederem junto de Isabel, a Católica, de que seria possível chegar à Índia navegando para Ocidente.

Igreja e Convento de San Esteban; Semana Santa em Salamanca
Passando a fachada, em estilo plateresco, entramos na Igreja, com planta em cruz latina de uma só nave. Os andores chamam logo a atenção pelo cuidado com que foram arranjados. Estão expostas as imagens da Virgen de la Esperanza e N. P. Jesús de la Pasión. A procissão costuma sair na madrugada da Sexta-feira Santa.

Igreja e Convento de San Esteban; Semana Santa em Salamanca
É ainda possível, pagando bilhete, ver a sacristia, o coro, o claustro dos Reis e ter uma visão privilegiada sobre o altar principal. Somos informados que temos de sair porque o convento irá encerrar. Apressamo-nos a chegar às Catedrais, onde existe um pequeno miradouro com um jardim, que permite uma vista mais alargada da cidade.

Catedral de Salamanca; Semana Santa em Salamanca
A Catedral Nova demorou dois séculos a ser construída e apresenta dois estilos: gótico tardio e barroco. Ao entrarmos, somos logo surpreendidos pela altura e pelo teto coberto de abóbodas estreladas. O coro, os órgãos, as capelas laterais e os andores enfeitados com flores também merecem toda a nossa atenção.

Catedral de Salamanca; Semana Santa em Salamanca
A Catedral Velha, do século XIII, é bastante mais austera, mas obrigatória. A visita é paga e inclui os claustros e o museu. O que mais se destaca é o retábulo maior, que data do século XV. Os túmulos também são outro ponto de atração. Pertinho das Catedrais fica a Universidade de Salamanca, a nossa próxima paragem. Aqui é onde encontramos o maior número de grupos organizados que aproveitam estes dias para conhecer a cidade. Esta universidade foi criada em 1218 por Afonso X e é a mais antiga de Espanha, da Península Ibérica e da Europa.

Universidade de Salamanca; Semana Santa em Salamanca
Após o almoço e antes que iniciem as procissões, aproveitamos para visitar mais igrejas e outros pontos de interesse. Nestes dias, todas as atrações, religiosas ou não, estão abertas, por isso é uma excelente altura para visitar Salamanca. Passamos pela Plaza Mayor, pelo Convento das Úrsulas, pelo Paláciode Monterrey e pela Casa das Conchas.
A última visita da tarde  foi marcada previamente e fica em pleno centro histórico: a Universidade Pontifícia de Salamanca. Inserimo-nos num grupo organizado e toda a visita é guiada. Esta universidade está localizada no  antigo Colégio Real da Companhia de Jesus. Neste edifício de estilo barroco pode-se saber mais sobre a história da universidade, sobre os estudos nela ministrados, conhecer as várias salas, igreja e pátio, onde é costume terminar-se com uma foto de grupo junto ao poço.
Quando saímos, já se iniciou a procissão do Santo Enterro, organizada pela Cofradía de la Oración de Jesús en el Huerto de los Olivo, e que sai da  Igreja del Carmen de Abajo. As ruas estão apinhadas e ninguém quer perder o seu lugar.

Cofradía de la Oración de Jesús en el Huerto de los Olivo; Igreja del Carmen de Abajo; Semana Santa em Salamanca

Esta confraria recria a passagem bíblica de Cristo no Monte das Oliveiras (Jesús en el Huerto de los Olivos) e o hábito é constituído por uma túnica branca, sapatos pretos e o cinto e capa verdes.
Assim que esta termina, começamos a ouvir mais abaixo a banda que irá acompanhar a Ilustre y Venerable Congregación de Jesús Rescatado y Nuestra Señora de las Angustias. Esta é das congregações mais antigas de Salamanca (1686) e tem a sua sede canónica na Igreja de San Pablo. O hábito é constituído por túnica e manto de veludo roxo, coroa de espinhos, cordão de ouro em volta do pescoço, luvas, meias e sapatos pretos. Na frente vai a banda  do Agrupación Musical Cristo Yacente de Salamanca, seguidos dos estandartes e das imagens de Nuestro Padre Jesús Rescatado e Nuestra Sra. de las Angustias. O seu vestuário, os cabelos, os olhos e a expressão de sofrimento provocam uma profunda emoção, religiosa ou não, numa epifania conjunta de lágrimas, preces e agradecimentos.

Ilustre y Venerable Congregación de Jesús Rescatado y Nuestra Señora de las Angustias; Iglesia de San Pablo; Semana Santa de Salamanca
Ilustre y Venerable Congregación de Jesús Rescatado y Nuestra Señora de las Angustias; Iglesia de San Pablo; Semana Santa de Salamanca
Ilustre y Venerable Congregación de Jesús Rescatado y Nuestra Señora de las Angustias; Iglesia de San Pablo; Semana Santa de Salamanca
Tal como a maioria das igrejas e palácios de Salamanca, as celebrações da Semana Santa refletem uma teatralidade barroca, dirigida a emocionar os corações e provocar uma compaixão conjunta.

1 comentário:

  1. Recém-chegada da Andaluzia, pude testemunhar o espírito que rodeia a Semana Santa também ali. Verdadeiramente impressionante e autêntico...

    ResponderEliminar