19 de janeiro de 2013

Pela Serra do Açor


Na região da Serra do Açor há lugares a serem descobertos, que convidam ao passeio e ao descanso. Venha conhecer locais onde o tempo passa devagar, com paisagens panorâmicas, cascatas e aldeias de outros tempos.


Ponte das Três Entradas


A nossa primeira paragem foi na Ponte das Três Entradas, localizada na aldeia de Santa Ovaia, zona de encontro do Rio Alvoco com o Rio Alva. Junto à ponte, existe um parque de campismo à beira rio com lugares para tendas, caravanas, autocaravanas e bungalows. Está aberto todo o ano.

Santuário da Senhora das Preces, Vale de Maceira
Passando a ponte, viramos à direita em direcção à Aldeia das Dez e a partir daqui, é sempre a subir. A estrada estava em obras, o que dificultou o percurso, que já de si não é fácil.

Santuário da Senhora das Preces


A seguir à Aldeia das Dez, chegamos a Vale de Maceira, onde entramos no espaço do santuário. Já o tínhamos visitado no dia da festa anual, que se realiza no 1º Domingo de Julho, mas agora o contraste é enorme: não há filas na subida da serra nem problemas para estacionar, o silêncio é quase total e pode disfrutar-se calmamente  de todo o espaço, fazendo um pic-nic nas várias mesas disponíveis sob as grandes árvores existentes.

Santuário da Senhora das Preces, Vale de Maceira
O espaço tem não só um valioso património religioso mas também botânico, com várias espécies exóticas e algumas árvores da região. Para além da igreja, existe um coreto, diversos lagos, um chafariz, uma gruta com um  presépio e  as capelas da paixão de Cristo, com figuras em tamanho natural.

Santuário da Senhora das Preces, Vale de Maceira
No local apenas se encontrava aberto um pequeno bar junto ao lago, mas o senhor pertencia à organização e logo se disponibilizou para abrir a igreja e nos mostrar a sua riqueza, contando-nos a história do santuário: a imagem de Nossa Senhora das Preces foi encontrada por uns pastorinhos em 1371, no alto da serra do Colcurinho, que se situa a cerca de 7 kms. Posteriormente, devido às dificuldades de acesso, a imagem foi transferida para uma pequena ermida em Vale de Maceira, onde se viria a construir o atual santuário. Ficamos a saber  da existência de uma Albergaria, que mediante marcação prévia, pode ser reservada a preços bastante simpáticos.

Aldeia Histórica do Piódão


Daqui seguimos directamente para o Piodão, que se situa a 15 kms, ao longo de uma estrada com o pavimento em bom estado, mas estreita e sem proteções. Ao iniciarmos a descida para o Piódão começamos a perceber que a aldeia fica mesmo lá no fundo, e a pouco e pouco vamos tendo uma vista cada vez melhor. Ainda antes da chegada, passamos pela pousada do INATEL, toda construida em Xisto e com uma vista privilegiada sobre a aldeia.

Aldeia Histórica do Piódão
O Piodão é a aldeia histórica mais turística, com uma vasta riqueza arquitetónica. Está classificada como imóvel de interesse público desde 1978. Para se ter uma ideia da sua importância na região centro, ao viajarmos de Coimbra pelo IP3, no cruzamento com o IC6, já existe uma placa com a indicação do Piodão, e dali ainda distam uns bons 60 kms e mais de 1 hora de viagem. A aldeia deve ser obrigatoriamente percorrida a pé, pelo que devem estacionar logo à entrada no largo, e começar por ir ao Posto de Turismo e ao Núcleo Museológico do Piódão, onde poderão obter informações.

Aldeia Histórica do Piódão
Aldeia Histórica do Piódão
Ainda no largo, encontra-se a  igreja matriz, dedicada a Nossa Senhora da Conceição, toda caiada de branco. A partir daqui deverá embrenhar-se na aldeia, provar a aguardente de medronho, conhecer as lojas de artesanato, ver as casinhas de xisto em miniatura e recuperar forças com a gastronomia local, como o cabrito e a chanfana.

Foz d'Égua


Podemos chegar à Foz d'Égua de carro, por estrada alcatroada, ou por um percurso pedestre que se inicia no Piodão, com cerca de 3 kms e devidamente sinalizado. Neste local de encontro da ribeira de Chãs d’Égua com a do Piódão, podem tomar-se uns belos banhos na piscina natural de água cristalina, que,  mesmo no verão, é bastante fria.

Foz d'Égua

Fraga da Pena


Saindo do Piodão, voltamos a subir a serra em direcção à Benfeira,  passamos pela Mata da Margaraça, considerada paisagem protegida da Serra do Açor, onde existe um Centro de Interpretação Ambiental. Continuamos de carro para a Fraga da Pena, seguindo a sinalização existente. A dada altura, o percurso tem de ser feito a pé, até encontrarmos uma primeira cascata com mais de 70 metros de altura. Subindo mais um pouco por um carreiro,  encontramos outra cascata, de menor dimensão mas num ambiente verdadeiramente idílico.

Fraga da Pena

0 comentários:

Enviar um comentário